19 de setembro de 2007

"(...)A casa de minha tia ia se esvaziando aos poucos. Ficavam para trás as longas horas de espera, os bailes com os republicanos, as músicas de Tia Ana ao piano e os encontros com Giuseppe. Apesar de tudo a revolução fora um tempo feliz na vida de todos nós.
Muitos anos depois ao ditar suas memórias para a Alexandre Dumas, Garibaldi diria que nunca viu, em nenhum outro país soldados tão heróicos nem um povo tão caloroso e hospitaleiro. Anita morreu aos 28 anos na Itália, lutando pela unificação italiana da qual seu marido foi o grande herói e ela a grande heroína. O coração de Guiseppe Garibaldi, porém sempre pertenceria ao Rio Grande e a aquele tempo heróico durante o qual ele conheceu as duas mulheres que mais amou, ao Sol do novo mundo e desfraldando a bandeira da liberdade. E coube a mim contar esta história povoada de heróis, amor e morte. Aquecida pela minha grande paixão por Garibaldi, por quem sempre esperei até o fim." Manuela de Paula Ferreira faleceu aos 84 anos de idade, em Pelotas, e até a sua morte foi chamada de "A noiva de Garibaldi".

Um comentário:

Malu disse...

Eu a admiro..acho que nunca mais existiu uma mulher como ela...Garibaldi fez uma má escolha , qd ficou com anita.....