20 de fevereiro de 2008

Poemas Sozinhos (II) e Versos Descoloridos


Um dia assim distraído
Percebi bem ao pé do ouvido
O silêncio que andava no ar

O escuro escondeu meu desenho
Descobrir fui um susto gelado
Que ao meu lado alguém não está

Mesmo quando multidões se aproximam
Com suas vozes, violas, pesares
Só escuto o som do silêncio
Seus ruídos me levam a outros lugares

É como se o tempo fosse o único vivo
Com seus mistérios, incertezas, milagres
Que pudesse invadir os meus olhos
E me fazer altercar minhas verdades






*Os dois tercetos foram escritos por Álvaro Andrade. ~~ Poemas Sozinhos (II)
*Os dois quartetos foram escritos por Mônica Meira.~~ Versos Descoloridos

2 comentários:

Leve, breve, suave. disse...

lindo lindo
=]
=*

Álvaro Andrade disse...

Bonito, moça, gostei!hehe

Como sou meio chato com os sons, reduziria um ou outro verso, mas tá bacana.

É muito legal isso de uma coisa ir levando a outra... imagina um poema infinito, feito por todas os poetas do mundo...

Bjo.