28 de maio de 2008

Na boca do povo


Normalmente sou muito observadora. Seja visualmente ou auditivamente. Então, desde o ônibus, à porta do cursinho, ao caminhar na rua ou até mesmo à convivência familiar, a maneira de agir e falar das pessoas me prende a atenção. Pratico involuntariamente o tal do "Peoplewatch". Acho que é mal de quem gosta de escrever e vive em processo de laboratório e composição de "personagens" 24 horas por dia.

Abaixo estão algumas das tantas situações curiosas que ouvi e vivi recentemente e que merecem registro.Ou pela grande sabedoria, ou pela ausência dela. Fala meu povo...



Confuso, demasiado confuso


"-Mãe, com quantos paus se faz uma barraca ?" - perguntei.

- Barraca eu não sei...Mas canoa...É, eu também não sei- respondeu minha mãe pensativa "


Balde de água fria


"- Cara, hoje quando acordei tinham 7 ligações não atendidas em meu celular - falou Berenice empolgada com a sua popularidade com tantas pessoas. Sete numa mesma manhã!

- Fui eu - respondeu sua amiga.

- Você ligou 7 vezes ?- perguntou revoltada.

- Foi. Precisava te lembrar do meu caderno de física.

- Ah... - suspira Berenice desolada "


Igualando idades


"-Você não disse que meu pai viria me buscar ?- grita com a mãe, uma menina de mais ou menos uns 8 anos na porta da escola.

- É filha, mas seu pai não pôde.

- E porque você não me ligou pra avisar ?-continua gritando.

-Agora deu minha amiga, ligue pra seu pai e pergunte -finalizou a mãe irritada."


Remorso


"Ah mulher, os atendentes da Calçados têm direitos. Quando fazem hora-extra a dona da loja manda servir lanche e tudo. Já a patroa que tenho lá na Shoes nem te conto...Está para nascer alguém pior."


Novo ramo do Direito


"Eu escolhi o curso de Direito porque ai, você tem um leque de opções de trabalho. Eu por exemplo, quero ser desembarcadora.- falou Luiza decidida na porta do cursinho."



Toda regra tem exceção. Todo militar também.


"Eu acho um absurdo preconceito com os gays. Eles são como qualquer pessoa, só que possuem gostos diferentes. Temos que respeitar - falou o meu avô militar."



4 comentários:

arritmia disse...

eu a-d-o-r-o observar as pessoas. é uma coisa automática, basta estar em contato com elas que eu começo a "analisar" e fazer observações, comentários e sátiras individuais.

o melhor foi "agora deu, minha amiga", ri horrores!

bisous xxx

Clecia disse...

Oi, Mônica! Também sou mais de observar, mas não gosto de ser observada. Fico sem jeito. rs Gostei do seu blog!Ah!Ri com o "desembarcadora". rsrs

Antônio J. Xavier disse...

Hahahahahaha
`Perfeita a a desembarcadora...
E sua mãe quase te dá um fora... mas foi pensar demais...
hahahaha
Bjs
Adorei!

Leve, breve, suave. disse...

Oi Mônica,
também gosto de observar as pessoas,
e sinto facilidade em perceber qd estou sendo observada. Isso é um pouco ruim pois, nos limitam a muitas coisas!
=]
=*