28 de janeiro de 2009

De volta à quinta série.


Dia de trabalho. Pois é, vida mansa demais cansa mesmo. A escola em que eu estudava, uma escola de grande porte e estrutura da cidade, permite que seus ex-alunos se inscrevam se quiserem trabalhar como fiscais ou auxiliares em tarefas da escola, ganhando para isso um determinado valor. E assim me inscrevi e fui chamada para uma segunda- feira, após fim de semana de festa na cidade, às 6:30. Ok. Fui toda responsável e morrendo de sono. Chegando lá me deparo com o fato de ter que recolher materiais escolares ( aquelas listas que as escolas pedem) da sala do sexto ano D ( o que seria quinta série no meu tempo). Me animei na hora. Adoro criança e lá em particular tem cada peça fofa...Tive que me controlar para não morder uns três com bochechas salientes.

Me chamavam de Tia, de Professora, perguntavam se teriam aula de robótica ( e de fato tiveram)...Todos educadinhos e fofos. Incrível...Não tive problemas com nenhum. Claro que os meninos nessa idade são mais subversivos e te ignoram...Ficam rindo um dos outros. Mas as meninas foram todas educadas, responsáveis e organizadas. Algumas você conseguia prever o futuro. Lembrei de mim nessa época, pelo menos tentei lembrar. Fiquei realizando o quanto o tempo passa rápido e de repende você começa a ter todas as experiências que você julgava de adulto naquela época te acontecendo de uma vez como um turbilhão. E você se sente bem e mal ao mesmo tempo. Feliz por tudo estar acontecendo e triste por já te acontecido e toda expectativa que nutre e anima a gente ter sido superada.

A professora de Ciências dando aula sobre os astros e eu lá babando com as carinhas deles. Carinhas de quem ainda vai viver tanto, aprender sobre tanta coisa. Carinhas de curiosidade, de vida em flor.

Lindos. Achei o máximo ter vivido aquilo. Ainda mais por ter sido exatamente em um momento que minha vida disparou e me pego correndo e me agarrando nas coisas para que não passem tão rapidamente.

Depois de estar com eles fui para o trabalho braçal junto aos meus outros colegas. Arquivar coisas, separar, listar, pegar peso...A parte chata. Sem a fofura infantil.

Um comentário:

bia de barros disse...

Minha mãe foi professora infantil. Tenho algumas tias professoras ainda. Tenho um afilhado lindo, e acho pouca coisa mais bonita do que sonhos colorindo os olhos de uma criança. Nesse sentido, não vou deixar de ser uma nunca...

Abs de luz,
bea.*
*a Eterna Criança ^^