21 de janeiro de 2009

Tempo De Colheita (1)

*
A felicidade.

O êxtase da felicidade me rouba as palavras. Silencia-me em cada tentativa vã de narrar acontecimentos incríveis. Supremos e apaixonantes.
Tenho histórias para contar. Porém, a minha atual explosão ininterrupta me inibe e me faz deixar para logo mais, outro dia, uma noite dessas.
Exijam de mim, devo três textos ao Blog. Três momentos mágicos que me ocorreram... Seria até injusto ignorá-los. Claro que com todo critério e respeito ao que pode ou não ser dito. Algumas coisas nasceram como segredo e devem morrer assim.


Para não deixar esse texto tão assim, recadinho, deixo um poema que fiz .


*
Olhos turbulentos. (Intraduzíveis )
Erupções e terremotos contínuos. Fogo, fúria e doçura.
Exclamação, interrogação. (Não captei)(Estavam fechados) (Escuros escudos)
Notas musicais correndo, atropelando. Anestesia.
Seca.
Um vazio por dentro que nem a fumaça do cigarro ocupa.
Falta de bolo de coco no sítio, cafuné na rede, um dia como quando nasceu.
Menino louco, de pedra, de balão, de baixo.
Uma coruja. (Perigosíssima)
Menino do sexo, das drogas e do rock'nd roll.
Cheio de verdades e mentiras em iguais proporções.
Parece querer ir para o céu... Para assim poder morar no inferninho de lá...
Fazer um som com a galera.

Um comentário:

Carlinhos disse...

Momentos como esse nunca serão esquecidos e servirão pra mostrar que a vida apresenta horas de profundo desânimo, mas também apresenta felicidade tamanha que sublima todo o resto...