4 de maio de 2009

Um breve post. (como a vida é). Dylan still alive. ( e em cores)


Eu estava escutando o último Albúm do Bob Dylan, Together Through Life e fiquei pensando sobre como a vida é breve. É, com vinte anos me desespero com a ferocidade dos momentos e com como voam os dias. Imagina o Dylan.

Estava escutando sua voz consumida pelo tempo(mas não menos bela) e suas novas melodias enrugadas( não menos vivas), quando constatei que o tempo passa com um silêncio assustador. E por vezes nos transforma (ainda falantes) em filme mudo. Não farei um texto filosófico, não se preocupem.

A voz do Dylan nesse último Cd ,me lembrou duas pessoas , Tom Waits e Johnny Cash. O último em especial quando cantou Hurt, uma música que tinha que ser dele mas por um acaso qualquer da vida não foi.
O Dylan é um mistério. Vejo uma legião de fãs cultuando sua imagem de quando jovem, sua voz de quando jovem, seus hits de quando jovem...Mataram o Dylan. É como se ele fosse valorizado por um pedaço de sua história. Ele está vivo. Não com a aparência e a voz de outrora, mas com o mesmo espírito, a mesma história. É curioso como isso é comum. Aconteceu com vários outros músicos que ainda vivos têm que assistir de camarote às suas mortes e ao clamor de suas ausências. Há quem chore de saudade do Paul Mccartney do pôster, enquando o mesmo cara ainda faz show por aí...Se a morte do Lenon não tivesse sido tão divulgada, eu juraria que ele estaria ainda vivo em algum lugar mas já dado como morto.

Vestimos uma camisa com uma foto de alguém com 20 anos que hoje com 60 foi esquecido no armário. Acho que eles olham para suas figuras no passado e não se sentem parte delas. É uma loucura.
Coisas que me surgem em mente...O que vocês pensam sobre ?
Meus caros, volto em breve.

Um feliz Maio para nós, vós e eles.

2 comentários:

mari heinisch disse...

Já pensou que pode acontecer o conrtário? Por exemplo, quando nos tornarmos avós, nossos netos talvez nunca conseguirão imaginar a nossa juventude, as coisas bestas que fazíamos, as dancinhas, as músicas que cantávamos na faculdade, os amores, as encrencas, os porres de vodka, os sonhos... Seremos sempre avós e sempre velhas para eles. (espero que não seja assim!! =O )

Carlinhos disse...

Muitos autores, cineastas, atores já foram esquecidos e muitas vezes banidos de nossas mentes.

O que eles fizeram para merecerem isso? Ficaram velhos?

Esquecer os antigos como se eles não tivessem nenhuma relação com o presente é um pecado. Muitas coisas que lemos, vimos e assistimos foram pioneramente lançados por homens e mulheres que pensavam além do seu tempo.