30 de junho de 2009

Corpo fechado


Estou cansada. Fatigada, enfastiada, afadigada.
Estou amuada, melindrada e de bode amarrado.
Percebi que não está tudo bem. Percebi que não estou bem. Hoje me olhei no espelho com olhos mais atentos e vi novas coisas que me incomodam. Coisas que acho que nunca vão mudar.
Percebi que ando na crista de uma onda extrema de ansiedade, angústia e incerteza.
Estou perdida em minha transição.
Estou viciada, desleixada, amarela. Preciso pegar um sol. Preciso ser mais saudável. Preciso arrumar meu guarda-roupas. Preciso de tanta coisa que só eu posso me permitir. O problema é exatamente esse. Como posso ter coragem de ir na piscina, de tirar uma tarde para arrumar a bagunça, de ir para um passeio ao ar livre, de tomar um chope, estando com uma pessoa cansada, fatigada, melindrada e incomodada ao meu lado ? Ou melhor, dentro de mim ? Minha constante permanência comigo mesma está me provocando crises. Acho que vou me separar de mim. Pelo menos me dar férias.

28 de junho de 2009

Onde mora o invisível ?


Quando é que a unha cresce...
Quando é que a casca da banana escurece...
Que a gente não vê ?

Em que momento o cabelo fica comprido...
Em que instante a gente perde o marido...
E nem percebe ?

Em que segundo o broto desabrocha em flor...
Em que milésimo a paixão vira amor...
E a gente nem nota ?

Quando é que a gente fica sério ?
Quando é que a gente fica frio ?

Quando é exatamente que a última fração de gelo derrete ?
Quando é exatamente que a pele envelhece ?
Quando é exatamente que nossos filhos crescem ?

Em que fino momento a gente adormece ?
Em que breve instante a doença nos aparece ?
Em que suspiro a vida se vai ?

Não tenho medo de nada além do invisível. Do tempo que eu não percebo.
Só temo o que me rouba os instantes. Só temo o que não vejo mesmo quando olho sem parar.

Qual o exato instante em que o céu fica todo tingido de preto e as estrelas se acendem?

24 de junho de 2009

Muita merda à todos.


Wagner Moura, Selton Mello, Andréa Beltrão, Bruno Garcia, Matheus Nachtergaele, Diogo Vilela, Bethito Tavares, Lázaro Ramos, Débora Falabella, Letícia Sabatella, Guta Stresser, Lúcio Mauro Filho, Gregório Duvivier, Fernando Caruso, Ana Paula Arósio, Camila Morgado, Daniel de Oliveira, Camila Pitanga, Vladimir Brichta, Dan Stulbach, Denise Fraga, Dira Paes, Fernanda Torres, Guilherme Weber, Leandra Leal, Luis Fernando Guimarães, Marcelo Adnet, Maria Luíza Mendonça, Pedro Cardoso, Simone Spoladore, Mariana Ximenes, Júlia Feldens,Cássio Scapin, Guilherme Berenguer...

Que profundo orgulho tenho dessa nova geração de atores do nosso país.

Para quem não sabe, desejar merda no teatro é desejar sucesso !

*Foto da Simone Spoladore.

19 de junho de 2009

Canção para Chico


Meu senhor
Questionar tudo que eu sinto por assim dizer
Que o que sinto, eu sinto muito, longe de você
Longe do que você pode ser para mim
Com tudo, nada , sempre e tanto...

Meu amor
Não me reste como medo de ficar tão só
Não me ausente, nem que seja em pensamento vão
Não me deixe, ou me abale por então
Seja o que é, que eu amo e sou.

Meu temor
É um dia amanhecer em cores sem você
Sem o nosso preto-e-branco, sem o nosso ver
Sem os olhares que trocamos num futuro bom
Sem sua cor, sem sua dor , sem ter-me em cada estar que sou

Minha cor
É tingida pela imagem que pintei de ti
Não me deixe em seus sonhos, não se vá de mim
Não me acorde com saudade, nem com solidão
Me ame no inverno, me perpetue no verão.



*Abaixo um audio com a música. Bem pobrinho, com voz ruim mas com carinho. =D

http://www.youtube.com/watch?v=C01jxhlIx8A



14 de junho de 2009

E agora, José ?


Há uns dois meses que estou com um projeto de um livro de uma modelo que entra em crise de anorexia nervosa e conta a história da vida dela através de cartas. Conta como foi sua vida como modelo, suas crises, seus relacionamentos...
Daí hoje, estou navegando na internet e vejo que vai sair um documentário em agosto falando da vida das modelos, dos momentos difícies...Ou seja, adeus a novidade do meu projeto, agora virei uma mera plagiadora do projeto alheio. ¬¬
Fiquei muito chateada com isso. Eis a infelicidade de ser uma amadora.

7 de junho de 2009

Através da Monalisa.

Me quebre. Me ignore. Me mate. Em mil pedaços. Como um nada no mundo. Com um punhal.Eu não sou mais o seu efeito. Nem você é mais a minha causa.



*Foto mal tirada que tirei no Louvre.

6 de junho de 2009

Maiores felicidades (2)


A música é um corpo invisível. Caminha por dentro das almas, dos sonhos, das expressões emocionais ignoradas. A música te ajusta, te perde, te faz. Apaixone-se por ela.
Algumas bandas em especial produziram mais do que música. Produziram história de arte, filosofia, revolução e novos conceitos. Mais uma vez quero falar dos Beatles. Meus meninos. Meus e do mundo, já que eles são hábeis em fazer o mundo parar para escutá-los. Are Beatles More Popular Than Jesus ?
Para quem é verdadeiramente fã dos Beatles, ver Across The Universe é um deleite. Além de ser um produção fantástica com uma elaboração artística maravilhosa, você tem que se conter horrores para não sair cantando o filme todo. No caminhar do filme você vai colhendo as coincidências, as associações, as corporificações das canções da história da banda. O último musical que me emocionou desse forma foi Hair.
Eu sempre escutei os Beatles de forma tranquila, não era fã de colar pôster na parede como sou hoje. Daí achei uma coletânea completa deles aqui em casa. Comecei a cantar com meu pai, preparei a viola e comecei a estudar. Isso sim para mim é estudar: ler, escutar, investigar e nunca cansar. Deveríamos viver para isso: Conhecer as pessoas e as obras que fizeram e fazem sentido para o mundo e principalmente para nós mesmos.
Beatles é mais que uma banda, é uma forma de viver a vida. Eu vivo Beatles, e você ?



*Imagem do site : http://www.nuacco.com/wp-content/uploads/2007/12/beatles.jpg

3 de junho de 2009

Maiores felicidades (1)


A gente nasce, ok. A gente começa a querer coisas, sentir a vida, sonhar com os mundos que queremos viver...Eu também descobri que além de ser feita de orgãos como todo mundo, também sou feita de letras. Simplesmente amo com todas as minhas forças humanas e além-humanas, escrever. Não escrever por escrever, mas escrever os sentimentos. Tentar materializar as abstrações e os devaneios. Eu poderia viver para isso. Sentir que algo que você escreve faz sentido para alguém é mais do que ser feliz, é ter sensação de vida em si. Sensação de, "ok, já sei o porquê de eu estar aqui viva e caminhando". É paixão sem limites. Escrever é conseguir ser o que sou. Por isso que quando não consigo escrever fico deprimida. Cada frase que faz sentido é mais um Sol que nasce para mim. É como se o mundo fosse uma existência particular que funciona para inspirar o uso das palavras. E que cada ponto final existe para que se possa respirar.
Hoje mais do que nunca estou apaixonada por cada letra que compõe um texto. Por cada texto que imputa uma essência. Por cada essência que constitui a vida.
A minha vida faz-se em letras.

(respira)