3 de agosto de 2009

A comédia dos amores

Eu coloco um disco na vitrola e Padam Padam começa a invadir a nossa sala na voz de Piaf. Ele sai da cozinha com duas taças de vinho tinto nas mãos. Ele chega com passos no ritmo da canção e me incomoda por estar com o primeiro botão de sua camisa desabotoado. Eu o espero com braços postos em um vestido amarelo-ouro. Acabamos de chegar de uma festa de gala. Numa das mãos eu seguro a taça que ele me trouxe, com a outra tateio sua face e enrolo meu dedo indicador em um de seus cachos que escorrega sobre sua testa. Ele me olhando nos olhos diz Toute la comédie des amours e me beija no canto esquerdo dos lábios. Seus lábios estão quentes.
Num tomar descuidado ele me conduz pela cintura ao centro da sala onde valsamos o refrão da canção. Em cada girar sinto meu coração batendo junto ao dele. Nossos ritmos entram em compasso como os nossos pés. E giram, giram, giram...Vivendo o mesmo pulsar.
Então paro nossa dançar e o olho seriamente nos olhos. Encosto meu nariz e sinto o perfume que exala de seu pescoço. Retomo meu olhar aos seus olhos e pergunto o que faremos quando tudo acabar. Ele sorri, retoma a nossa valsa e sussurra "Quando tudo estiver acabando estaremos girando rápido demais para notar o fim." Nossas taças caem no chão no último gritar da melodia.



*http://www.youtube.com/watch?v=LfmguyDRBwU -- Padam Padam

Um comentário:

Taynara.Tah disse...

*-* Que sutil!
Lindo texto, de uma sensibilidade maravilhosa!