26 de outubro de 2009

Com a noite



No escuro me acendo. Ascendo se for intenso. De lua cheia.
Da escuridão eu não tenho medo. Sou loba da noite.
No entardecer caminho. Busco o instante do céu em fina cor e da chuva de diamantes.
Da escurião eu não tenho medo. Sou esse silêncio que sopra na janela.
No uivar do vento encontro voz. Ainda enxergo nuvens. Ainda enxergo nuvens.
Da escuridão eu não tenho medo.

5 de outubro de 2009

Ao meu menino


Sempre falei do amor. Sempre foi um tema que me inspirou e me envolveu de maneira fabulosa. Porém, peço perdão às palavras que dediquei a este sentimento. Pois pela primeira vez sinto o que é verdadeiramente "amar e ser amada" e é uma sensação que foge do meu controle, das minhas idéias e dos verbos de ação...
Nada é suficiente para explicar. Nenhum adjetivo é capaz de medir. Nenhuma frase é forte o suficiente para conter com um ponto final. Amar pede reticências...
É tentar dizer o indizível. Explicar o inexplicável. Amo simplesmente.
Amo com toda minha fé e sinceridade. Com toda minha alma, mente e corpo. Amo como nunca imaginei amar. Confio como nunca imaginei confiar. Amo sem medo, sem pressa, sem ciúme. Amo de olhos fechados dançando no escuro.
Viver um sonho me emociona e me assusta, já que sempre dá aquele frio na barriga ao acordar quando me pergunto, " será tudo realidade ou sonhei ?". Mas quando concluo que tudo é real, sinto correr dentro de mim uma intensidade luminosa de alegria capaz de explodir no céu como fogos de artifício e contagiar a espécie humana com alguma substância insolúvel e inexplicável que produz conforto e serenidade.
Amar da maneira mais pura, mais sincera e mais entregue que posso, me faz sentir coragem, proteção e paz interior. E tudo isso é natural, é incontrolável e dispensa a razão.
Amo e tenho o amor como guia.

Te amo, meu menino. Obrigada por me fazer realmente entender o que é amar e ser amada.